Views
1 week ago

edição de 9 de julho de 2018

  • Text
  • Mercado
  • Marcas
  • Anos
  • Brasil
  • Julho
  • Ainda
  • Propmark
  • Jornal
  • Marketing
  • Campanha

Digital Ogilvy faz

Digital Ogilvy faz parceria com Big Data e amplia serviço de data intelligence Empresa deve adicionar novos pilares de oferta de dados e inteligência artificial para negócios dos clientes e aumentar potencial competitivo Alisson Fernández cada segundo o mundo A é abastecido com milhares de novas informações e dados. Porém, eles só fazem sentido quando são contextualizados. A área de data intelligence realiza esse trabalho e encontra em meio a sua massa de dados informações que podem ajudar as empresas a compreenderem o que ocorre com seus consumidores, antecipar tendências e, assim, aumentar o seu potencial competitivo. Há mais de seis anos a Ogilvy conta com esse departamento dentro da agência. Cerca de 20 profissionais, de diferentes áreas, trabalham exclusivamente com a análise de dados para que as marcas tomem decisões mais eficientes para os seus negócios. “Estes seis anos da área de data intelligence na Ogilvy foram essenciais para construirmos uma estrutura sólida, baseada na tríade que acreditamos: tecnologia, metodologias e processo pilotados por profissionais especializados, tanto em suas verticais, como estatísticos, sociólogos e publicitários; quanto na horizontal, de comunicação. Estes seis anos nos permitiram ter a maior riqueza de uma área, os dados”, revela Viviane Sbrana, diretora de data intelligence da Ogilvy Brasil. Para reforçar o trabalho e os resultados do departamento, a empresa fechou parceria com a Big Data, empresa de data science para business performance, que vai ajudar a agência a encontrar os melhores insights. “A parceria com a Big Data visa adicionar novos pilares de oferta de dados e inteligência artificial para os negócios de nossos clientes”, explica Fernando Musa, chief executive do Grupo Ogilvy Brasil. Viviane Sbrana: “Em cada desafio temos uma solução para garantir a assertividade” Divulgação “No varejo usamos dados de redes sociais para gerar veNdas persoNalizaNdo o coNteúdo oferecido pela mídia” Segundo Viviane, todos os clientes da agência passam pela área, que atua em várias frentes de análise como pesquisa, web, pesquisa de mídia, analytics, mídia, social, BI, modelagem estatística, dashboards online e listening. Mas será que essa é a melhor forma para tornar uma campanha e seus resultados cada vez mais assertivos? “Essa é uma das formas, pois cada cliente tem um objetivo e uma variável de resposta específica. Para cada desafio temos uma solução para garantir a assertividade das campanhas. Um dos serviços que passamos a oferecer, utilizando soluções da Big Data, é o Optmark, que permite uma assertividade no mix de meios e na gestão de performance a partir de um importante KPI: vendas”, explica a executiva, que reforça ainda que a agência já possui bons exemplos e resultados. “No varejo usamos dados de redes sociais para gerar vendas personalizando o conteúdo oferecido pela mídia de acordo com target, produto e canal. Também realizamos análises desenvolvidas através de inteligência artificial para combinar dados não organizados com dados de mídia e vendas, permitindo uma maior assertividade no mix de meios”, completa. Ao observar a infinidade de dados e a grande variedade de respostas, o desafio é tentar identificar, para uma forma de análise precisa, a resposta- -chave, o KPI, para a questão do cliente. Depois de fazer uma combinação de indicadores, a agência agrega outras variáveis de respostas que explicam ou corroboram a resposta principal fortalecendo e reforçando a análise. “Nossa estrutura sólida nos ajudou a construir uma base de dados bastante extensa, que permite o desenvolvimento de muitos modelos de análise a partir de bases históricas de resultados. Mas isso é apenas o começo, pois hoje o desafio do nosso mercado é entender como usar a tecnologia, por exemplo, a inteligência artificial, machine learning, blockchain a nosso favor para analisar e principalmente para compartilhar informação”, finaliza Viviane. 50 9 de julho de 2018 - jornal propmark

Você sabia que o papel é feito de árvores plantadas exclusivamente para essa finalidade? Todos os dias no Brasil são plantados o equivalente a cerca de 500 campos de futebol de novas florestas para a produção de papel e outros produtos. O Brasil tem 7,8 milhões de hectares de florestas plantadas. As indústrias que usam essas árvores conservam outros 5,6 milhões de hectares de matas nativas. Você gostará ainda mais de revistas e jornais impressos sabendo que o papel que vem de árvores plantadas, é reciclável e biodegradável. Descarte corretamente. Seja um consumidor responsável. Fonte: Relatório Ibá 2017, Indústria Brasileira de Árvores Two Sides é uma organização global, sem fins lucrativos, criada em 2008 por membros das indústrias de celulose, papel e comunicação impressa. Two Sides promove a produção e o uso responsável da impressão e do papel, bem como esclarece equívocos comuns sobre os impactos ambientais da utilização desse recurso. O papel, por ser proveniente de florestas certificadas e gerenciadas de forma sustentável, é um meio de comunicação excepcionalmente poderoso, de fonte renovável, reciclável e biodegradável.

edições anteriores

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.