Views
2 months ago

edição de 3 de abril de 2017

  • Text
  • Brasil
  • Digital
  • Abril
  • Jornal
  • Mercado
  • Propmark
  • Ainda
  • Cannes
  • Publicidade
  • Anos

marketing & negóciOs O

marketing & negóciOs O elevado impacto e a credibilidade dos jornais Eclipse Images/iStock Os anúncios classificados, em particular, tornaram-se um instrumento essencial para a vida comercial Rafael Sampaio Jornais são, junto com as revistas, as mídias pioneiras, com registro de circulação regular e da presença constante de anúncios ainda no século 19. Mas eles cresceram muito mesmo no século 20, com as transformações na vida da sociedade e a maior demanda por jornalismo independente, informação confiável em geral e publicidade crível. Os jornais, em especial, tornaram-se parte do hábito diário das pessoas de maior educação e cultura e passaram praticamente a definir a agenda, não apenas de seus leitores, assinantes e compradores, como de toda a comunidade a que servem, expandindo sua influência para além do círculo inicial de seus leitores. Esse impacto junto à sociedade permanece até hoje, seja na versão tradicional, impressa, seja na versão digital, de forma crescente, inclusive, nos tablets e celulares, o mobile. O jornal dá uma grande relevância aos fatos, quase que documentando a história do dia a dia. Daí a grande relevância de o jornal ser honesto, preciso, neutro e corajoso. Os veículos que não seguem essa orientação, seja nas ditaduras, seja na imprensa sensacionalista, só comprovam, pela exceção, o valor inestimável desse meio para a sociedade e, por consequência, para a publicidade. Os anúncios classificados, em particular, tornaram-se um instrumento essencial para a vida comercial e para a receita dos jornais. Alguns setores, como o comércio, fizeram do uso desse meio uma alternativa regular para suas necessidades publicitárias. E o meio destacou-se de modo importante como um mecanismo de lançamento de novidades, construção e manutenção de reputação das marcas, empresas e instituições em geral. Em uma única expressão, o que sai no jornal é o que passa o sentido de que de fato aconteceu. Com o advento e o crescimento do meio digital, nas últimas duas décadas, os jornais sofreram com a queda do volume dos classificados, da publicidade em geral e até de leitores de suas versões impressas. Mas a própria extensão das publicações para o formato digital tem compensado parte dessas perdas – e até superado, em alguns casos, demonstrando que o futuro do meio será uma combinação de formatos, assim como de linguagens, com a incorporação dos vídeos aos recursos de comunicação do conteúdo dos jornais, bem como de formato publicitário. Nos mercados mais desenvolvidos, o atingimento da população com a mídia jornal tem até aumentado em diversos casos, pela soma da circulação impressa e digital. No Brasil, apesar do crescimento constante das versões digitais, seu total ainda não compensou totalmente a redução da circulação impressa, mas segue nesse caminho. Os jornais estabelecem uma relação de hábito, intimidade e confiança com seus leitores – seja com a versão impressa ou digital, seja nas demais extensões digitais na web –, funcionando como um guia permanente de navegação das pessoas com os fatos, as opiniões e as tendências de pensamento e comportamento. Os jornais são elementos essenciais para moldar as comunidades, do local ao nacional, inclusive porque são referência constante para os demais meios, como a TV, o rádio e até o universo da internet. Essa característica única de disseminação de informação confiável e de formação de opinião faz do jornal um meio obrigatório para marcas de todas as dimensões, inclusive pela possibilidade de sua utilização a partir de formatos (e custos) bem reduzidos. Não é sem razão, portanto, que praticamente nenhuma marca líder e de valor não seja uma constante anunciante dos jornais e aquelas que se afastam desta mídia rapidamente se dão conta da falta que faz deixar de anunciar em suas páginas impressas e digitais. Rafael Sampaio é consultor em propaganda rafael.sampaio@uol.com.br 30 3 de abril de 2017 - jornal propmark

prêmios Colunistas faz entrega de diplomas aos vencedores do ano de 2016 Evento contempla os vitoriosos das etapas nacional e regional de São Paulo; a atriz Grace Gianoukas vai apresentar o show Mulher Limão Nesta segunda-feira (3) será realizada a cerimônia de entrega dos diplomas aos premiados na edição de 2016 do Colunistas Brasil e da regional São Paulo. O palco escolhido foi o Teatro Eva Herz, que integra o complexo da Livraria Cultura, em São Paulo. A organização do evento programou uma atração especial para animar a festa. A atriz, diretora e roteirista Grace Gianoukas vai apresentar o espetáculo Mulher Limão, com 20 minutos de duração, um texto hilário sobre a opinião alheia. Gaúcha de Rio Grande, Grace é filha de mãe italiana e pai grego. Estudou artes cênicas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde se formou na turma de 1981. Em 1984 se transferiu para São Paulo. Nessa época escreveu a peça Não quero droga nenhuma, sucesso que permaneceu em cartaz por cinco anos. Ela transita no universo do humor e também no dramático. “Não faço distinção. O humor pode fazer rir e chorar”, diz ela, que atuou nos anos 1980 na encenação Dias felizes, de Samuel Becket. Na televisão participou da Escolinha do professor Raimundo, vivendo a jornalista Maninha Marrom. Integrou o elenco de Cúmplice de um resgate, no SBT, e foi a protagonista de Haja coração, trama que viveu a histriônica personagem Fedora Abdala Varella, conteúdo exibido na Rede Globo. Também criou o projeto Terça insana, há 17 anos, que permanece em cartaz até hoje, atualmente no Teatro NET, em São Paulo. Participar do Colunistas, para Grace, é como estar em casa. “Fiz mais de 50 campanhas publicitárias. Gosto de lembrar do diretor Dorian Taterka (o Dodi), que me convidou para alguns dos comerciais do McDonald’s. A publicidade “A publicidAde é um exercício que permite muitAs possibilidAdes Ao Ator. prezo muito os AnunciAntes porque eles me permitem levAr meus espetáculos pArA todo o brAsil” é um exercício que permite muitas possibilidades ao ator. Prezo muito os anunciantes porque eles me permitem levar meus espetáculos para todo o Brasil”, afirma. premiados Após a apresentação de Mulher Limão terá início a entrega dos prêmios. A agência nova/ sb, de Bob Vieira da Costa e Antonio Calil Cury, receberá o Grande Prêmio de Agência de Comunicação do Ano de 2016. Com o trabalho Sons da Caixa, a agência garantiu o GP de Mídias Integradas e de Técnica. O executivo Luiz Sanches, sócio e diretor-geral de criação da AlmapBBDO, vai receber o GP de Publicitário do Ano. Sua agência também assegurou o GP de Filme com Helicóptero, para O Boticário, e o de Branded Content com HP Magic Word, para a HP. André Mota, sócio e diretor de criação da Bolero, que tem sede em Fortaleza, foi eleito o Profissional de Propaganda do Ano. A Dream Factory ganhou o GP de Promo e Live e o empresário Fernando Guntovitch, presidente e fundador da The Comunicação, o de Empresário do Ano da mesma disciplina. Divulgação O pocket show Mulher Limão, com a atriz Grace Gianoukas, vai animar a festa de entrega do Prêmio Colunistas Brasil e da Regional São Paulo no Teatro Eva Herz jornal propmark - 3 de abril de 2017 31

PROPMARK

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.