Views
4 months ago

edição de 24 de abril de 2017

  • Text
  • Jornal
  • Digital
  • Propmark
  • Brasil
  • Abril
  • Paulo
  • Lions
  • Mercado
  • Empresa
  • Ainda

we mkt Fabio Has “A

we mkt Fabio Has “A reinvenção dos gigantes” “O homem é do tamanho de seu sonho”. Fernando Pessoa Francisco alberto Madia de souza Este é o título de uma matéria especial de Época Negócios, assinada por Alexandre Teixeira e Nayara Fraga. Na abertura da reportagem, o melhor retrato do caos instalado: “Como as grandes empresas estão absorvendo startups (ferrou!). Para acelerar processos de inovação e abrir novos espaços no mercado (ferrou mais ainda)”. Mas recomendo a leitura. Está tudo na matéria. Como jamais deveriam proceder ou a apoteose ao autoengano. O pior lugar para nascer o novo é a barriga de um quase dinossauro. E assim seguem as grandes empresas, inclusive as supostamente novas, e, como nos alertou Scott Fitzgerald, “barcos contra a corrente arrastados incessantemente para o passado”. Mas posam e acreditam como se estivessem na vanguarda do futuro... Empresas “absorvendo startup”, uma impossibilidade absoluta, investindo em startup sem se meterem ou palpitarem, ainda resistem. Absorvendo acaba no segundo seguinte. Muitas vezes na mudança. Na maioria das vezes no anúncio. E “abrir novos espaços no mercado” é de uma burrice e estupidez abissal. Não se abrem novos espaços. O máximo que se pode fazer é identificar oportunidades não percebidas e, se percebidas, ignoradas ou absolutamente impossíveis de serem detectadas por olhares e cérebros contaminados. Na introdução, a matéria ameaça trazer uma luz: “A postura tradicional de uma empresa estabelecida, grande e vertical, sempre foi a de construir em torno de si um muro tão alto quanto possível. Esse isolamento cumpria premissas estratégicas... (até aqui ok!)... isso mudou. E radicalmente. A história de relações entre as grandes corporações e as jovens companhias, as startups, é relativamente curta, mas já passa por uma mudança de paradigma. As palavras-chave que norteiam esse convívio deixam de ser “hostilidade” e “indiferença”. Elas foram substituídas por “colaboração” e até por “coabitação”, no sentido de atrair os jovens empreendedores para dentro da casa...”. Mais Que Ferrou!!! Regra Zero: jamais, em hipótese alguma, caso sua empresa deseje investir no novo, no verdadeiramente novo, considere a hipótese da proximidade. No mínimo, muitos e muitos quilômetros de distância. Qualquer contato contamina irreversivelmente. O embrião de novo gora instantaneamente. E como é que faz? Uma equipe mínima e em ambiente neutro para construir o plano. E, depois, adeus. Apenas relatórios de acompanhamento e prestação de contas. Quando o novo se materializar e se revelar viável considera-se, ou não, a possibilidade de se internalizar o novo no velho. Em 90% das situações, a decisão será de jamais fazer isso devido aos elevadíssimos riscos de contaminação. Muito maiores do que os dos primeiros transplantes de coração. Rejeição quase que na certa. Assim, o novo deverá seguir apartado e, se conveniente e viável, prestar serviços às empresas investidoras/mantenedoras. A matéria de Época é a apologia à promiscuidade. E algumas das manifestações cheiram a bolor e ranço. De uma consultoria, “a mudança é muito rápida, e as empresas tradicionais já não podem se dar ao luxo de moderar o ritmo da inovação”. Sacou, o tema é o novo e a conversa gira em torno de “dar-se ao luxo”. Socorro!!! Ou, o título de um manual para que essa impossibilidade absoluta produza frutos de qualquer natureza: “Vencendo juntas: um guia para colaborações de sucesso entre corporações e startups”. Não existe essa possibilidade! Apenas isso! Em síntese, encubar entrou na moda. Virou papo de velhos – não de idade, mas de cabeça – nas associações dos diferentes setores. A melhor forma de nascer e encubar o que quer que seja, para que seja novo de verdade, é o que nos ensina a natureza nas palavras de Marguerite Yourcenar: “O nosso verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar de inteligência sobre nós próprios”. Tudo o mais é modismo e exibição. Diretores de empresas enrolando e ganhando tempo para a aposentadoria. Francisco Alberto Madia de Souza é consultor de marketing famadia@madiamm.com.br 30 24 de abril de 2017 - jornal propmark

curtas Fotos: Divulgação A Ampfy está com novo comando. O chairman e investidor Pedro Cabral substitui André Paes de Barros, o PB, como CEO da agência. O executivo assume ao lado dos sócios-fundadores Gabriel Borges, responsável pelo planejamento, e Fred Siqueira, líder da criação, e do sócio Douglas Bocalão, no comando de operações e performance. “Com muita satisfação agradecemos à importante contribuição do PB à agência, que tem uma história pontuada por importantes conquistas. PB contribuiu muito para a Ampfy, que amadureceu em novos territórios e hoje se destaca como uma agência contemporânea, que combina a força do digital a serviço de comunicação sem fronteiras entre o on e o offline para grandes marcas”, observa Cabral. No ano passado, Alexandre Hohagen entrou na sociedade, ampliando a sua parceria com Cabral, com quem já havia adquirido a Nobox, agência de marketing full-service sediada em Miami (EUA). Na foto, da esquerda para direita, Hohagen, Cabral, Bocalão, Borges e Siqueira. O departamento de criação da W3haus ganha reforço. Jason Dessoy é o novo diretor de arte e Thiago Gueler, o novo redator. A dupla integra o núcleo que está sob o comando do diretor de criação Mathias Almeida. Ex-F.Biz e Fischer, Dessoy trabalhou com marcas como Mattel, Unilever, Pernod-Ricard e Nestlé. Gueller, que também passou pela F.Biz, além de Agência Nossa e Neogama/BBH, prestou serviços para Subaru, Ray-Ban, Johnny Walker, Absolut, Renault e Bradesco. Na foto, Gueler, Dessoy e Almeida. Chega ao mercado a B.Drops, dos irmãos Frederico e Felipe Viante, uma empresa de mídia digital out of home e produção de conteúdo. O canal, lançado em São Paulo com plano de expansão para outras capitais do país, tem um público de 400 mil mulheres por mês nos salões de beleza de categoria premium e superpremium da cidade. Em média, as mulheres vão aos salões três vezes por mês e ficam uma hora e meia no local a cada visita. REVISTAS SEGMENTADAS REVISTAS CUSTOMIZADAS CATÁLOGOS ANUÁRIOS LIVROS ILUSTRADOS LIVROS DIDÁTICOS JORNAIS TABLOIDES TIRAGENS CURTAS ALTA QUALIDADE DE CORES ENTREGA RÁPIDA Rua François Coty, 228 • Cambuci São Paulo • CEP 01524-030 Consulte-nos para orçamento: www.referenciagrafica.com.br TEL. 11 2065 0766 orcamento@referenciagrafica.com.br jornal propmark - 24 de abril de 2017 31

PROPMARK

PROPMARK

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.