Views
4 months ago

edição de 23 de janeiro de 2017

  • Text
  • Paulo
  • Janeiro
  • Brasil
  • Marca
  • Mercado
  • Propmark
  • Jornal
  • Anos
  • Marcas
  • Ainda

parabéns, sampa!

parabéns, sampa! Culinária local e influência do imigrante nacionalizam gastronomia Lanche de mortadela com super-recheio foi invenção da família Loureiro, que mantém um bar no Mercado Municipal de São Paulo Cidade ajudou a popularizar a pizza em todo o Brasil, mas também lançou tendências como filé à parmegiana, virado à paulista e bauru Paulo Vilela/iStock Danúbia Paraizo Não se engane com o sotaque estrangeiro. O filé à parmegiana é cria tipicamente paulistana, assim como diversas inovações gastrômicas desenvolvidas na cidade. Principal reduto da colônia italiana desde 1870, a cidade não só recebeu os europeus, mas em pouco tempo soube adaptar temperos e sabores em receitas exclusivas. Segundo o jornalista Edison Veiga, autor do livro Theatro Municipal de São Paulo: Histórias Surpreendentes e Casos Insólitos (Ed. Senac), que assina o blog Paulistices, do Estadão, o bife empanado que vai ao forno com molho de tomate e mussarela teve referência no “parente” europeu, que é feito com berinjela assada e queijo parmesão. A boemia paulistana também foi celeiro fértil para criações de forno e fogão. Um dos mais tradicionais lanches do Brasil, o bauru, surgiu em meio à ebulição política do movimento estudantil de 1936. Segundo o jornalista Angelo Iacocca, no livro Ponto Chic – Um Bar na História de São Paulo (Editora Senac), o sanduíche foi pedido pela primeira vez pelo estudante bauruense Casimiro Pinto Neto no tradicional bar, inaugurado no Largo do Paiçandu, região central da cidade. O estabelecimento era ponto de encontro dos estudantes de Direito do Largo São Francisco, que se mobilizavam como força de oposição ao estabelecimento do Estado Novo, do presidente Getúlio Vargas. Casimiro, ou Bauru, como ficou conhecido devido a sua cidade natal, era um dos que batiam cartão no Ponto Chic. Certa feita, pediu ao chapeiro um lanche de pão francês, queijo derretido, rosbife e tomate, mistura que deu tão certo que foi inclusa no cardápio do local, que hoje, inclui pepino na versão original. Famoso em todo o Brasil, o sanduíche ganhou releituras, com presunto como substituto ao rosbife. Ainda no hall de lanches, outra iniciativa paulistana que ganhou o Brasil foi o sanduíche de mortadela, herdado da culinária portuguesa. A iguaria, típica de boteco, foi disseminada pela família Loureiro, presente no Mercado Municipal desde 1933. Após reclamações de que o sanduíche estava muito minguado, ele recebeu um upgrade, com 200g de recheio, em 1970. A fama se consolidou de vez com a novela A Próxima Vítima, da TV Globo, que retratou o comércio do mercadão, em 1995. Mas para Veiga, nenhum prato é tão símbolo da cidade como o tradicional virado à paulista. A receita mais comum, com couve, ovo, tutu de feijão, banana e bisteca, está no cardápio dos bares e restaurantes da capital desde 1602, e tem média de consumo de 500 mil unidades por semana. Segundo o jornalista, o virado original era apenas uma pasta de feijão, farinha de milho e pedaços de toucinho, e foi criado pelos bandeirantes. “Em suas viagens, eles precisavam de um alimento que fosse facilmente transportável e pudesse ser consumido, nos dias seguintes, frio”. 40 23 de janeiro de 2017 - jornal propmark

parabéNs, sampa! Capital paulista só perde para Nova York em consumo de pizzas Mais de meio milhão de unidades são vendidas por dia em São Paulo; receita foi adaptada ao paladar do brasileiro, como a versão doce nimom_t/iStock Mercado da pizza continua sendo promissor no Brasil e fatura anualmente R$ 22 bilhões Danúbia Paraizo relação dos paulistanos com A a pizza é tão forte que precisou de uma data especial para comemorar. Não que isso fosse necessário. Há 31 anos, o evento é celebrado em 10 de julho, mas o Dia da Pizza poderia ser facilmente todos os dias diante da popularidade da receita, sobretudo, em seu berço, a capital paulista. Segundo a Associação Pizzarias Unidas do Estado de São Paulo (Apuesp), um milhão de unidades são comercializadas diariamente no país, sendo 572 mil apenas em São Paulo – considerada a segunda cidade no mundo no consumo pizza, atrás de Nova York. O estado desponta de longe como principal reduto de pizzarias do país, contabilizando 11 mil estabelecimentos, em um total de mais de 36 mil no Brasil. Os sabores mais pedidos são os tradicionais muçarela, calabresa, marguerita, frango com catupiry e quatro queijos, apesar de a cidade ser famosa por versões menos ortodoxas, como de cachorro quente e estrogonofe. Ainda no campo das invencionices, é de uma pizzaria de São Paulo o título de criadora da primeira versão doce. Segundo o jornalista Edison Veiga, autor do livro Theatro Municipal de São Paulo: Histórias Surpreendentes e Casos Insólitos (Ed. Senac), que assina o blog Paulistices, do Estadão, atribui-se a A Tal da Pizza a primeira delas, de banana, nos anos 1990. Mas as pioneiras no segmento datam bem antes. A pizzaria Castelões é de 1924, a Bruno foi criada em 1939, e, a partir daí, é a única entre as mais antigas a só servir pizza. Mais do que paixão nacional, o mercado da pizza é promissor. O faturamento anual do negócio brasileiro gira em torno de R$ 22 bilhões ao ano, e é responsável por gerar 116 mil empregos só no estado de São Paulo. No Brasil, chega a mais de 360 mil. jornal propmark - 23 de janeiro de 2017 41

PROPMARK

PROPMARK

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.