Views
4 months ago

edição de 12 de março de 2018

  • Text
  • Brasil
  • Maior
  • Propmark
  • Jornal
  • Ainda
  • Paulo
  • Marca
  • Aberta
  • Anos
  • Campanha

EspEcial tv abErta

EspEcial tv abErta Essência no bom conteúdo mantém preferência do público pela televisão Programação democrática e gratuita garante espaço do meio nos lares; emissoras agora dão novo passo para a entrega sob demanda no digital Danúbia Paraizo Dizer que a TV está com os dias contados já entrou para a mesma lista de clichês que também decreta o fim do rádio há mais de 50 anos e outros lugares comuns típicos de quando surge uma nova tecnologia. O meio, aliás, está mais vivo do que nunca. Segundo dados do Kantar Ibope Media, o tempo médio que o telespectador dedicou ao consumo da mídia aumentou em mais de uma hora nos últimos 10 anos. Essa sustentação nos lares brasileiros tem sido possível devido à combinação de dois fatores: a evolução tecnológica da TV para a oferta no digital ao mesmo tempo em que mantém sua essência democrática e gratuita. “Cada vez mais teremos uma nova forma de interação com a TV aberta. Essa mudança já é visível atualmente. As emissoras tiveram de se adaptar e buscar uma presença multiplataforma, engajando as pessoas que estão no celular, consumindo conteúdos mais simples ou oferecendo uma megaprodução que poderá ser assistida na TV de forma compartilhada”, analisa Marcos Facó, diretor de comunicação e marketing da FGV. Ao mesmo tempo, o DNA popular da TV, que entrega conteúdo gratuito para toda a população, garante sua permanência como queridinha do público. Para Melissa Vogel, CEO do Kantar Ibope Media, apesar do inegável avanço das tecnologias e dispositivos conectados, uma grande parcela da população ainda possui um modelo antigo de televisão com uma antena conectada em canais gratuitos. Daí a importância de as emissoras equilibrarem suas estratégias. “A TV está presente em praticamente todos os lares do país e é um meio garantido no dia a dia da população. Com o avanço das tecnologias, a tele- Combinação de conteúdo gratuito e cobertura ampla com investimentos em atrações sob demanda tornam TV um formato completo visão se fortaleceu”. Os números do Kantar Ibope reforçam a posição da executiva. Em 2007, os telespectadores passavam, em média, 5 horas e 11 minutos assistindo TV por dia. Em 2016, foram 6 horas e 17 minutos dedicados a telinha. O teor democrático do meio é um de seus principais pilares. Está em sua essência e vai garantir o sucesso do modelo por muitos anos. Essa é a aposta de Cristina Padiglione, que assina o site TelePadi, no portal da Folha de S.Paulo. “Pelo rumo que as coisas vão, com grande oferta de TV por streaming e toda uma geração que já não vê transmissões de TV, mas programação sob demanda, a TV linear aberta só endossa sua condição democrática: ela ainda é e será por muitos anos o entretenimento feito para todos”. “A TV conTinuA ViVendo ViscerAlmenTe de conTeúdo, não imporTA A TelA, A horA ou o modo de TrAnsmissão” Domingo/iStock EvOlUÇÃO NEcEssÁria Se, por um lado, o bom conteúdo acessível garante seu espaço, as emissoras não têm se acomodado. A TV tem se transformado e adaptado seu conteúdo em uma relação simbiótica com o digital. Nesse sentido, pode-se dizer que a televisão, aos poucos, se despede de seu modelo linear em busca de uma comunicação mais plural. A busca agora é justamente por uma comunicação de via de mão dupla, favorecida pela associação com as redes sociais e plataformas de streaming. Não faltam exemplos bem-sucedidos, como o Globo Play ou os canais no YouTube de atrações como de Fabio Porchat, na Record, e de Eliana, no SBT, recordistas de um novo tipo de audiência. “A TV continua vivendo visceralmente de conteúdo, não importa a tela, a hora ou o modo de transmissão. As redes sociais só tornaram a experiência de ver TV um comportamento amplamente social, com monte de gente na sua sala de estar”, finaliza Padiglione. 18 12 de março de 2018 - jornal propmark

( ) ( ) ( ) Geramos riquezas. Criamos empregos. Somos avalistas da liberdade de imprensa. Na próxima vez em que você for preencher uma ficha, não diga apenas que é publicitário. As agências de propaganda e seus profissionais não fazem apenas campanhas de comunicação. Nós construímos marcas. E mais do que isso, nós geramos negócios. Nosso trabalho gera valor agregado e melhores margens aos nossos clientes. São mais de 1.500 agências certificadas atendendo a mais de 55.000 clientes anunciantes espalhados por todo o país. Essa atividade gigante empurra a economia nacional. A cada real investido em publicidade, R$ 10,69 são gerados em todo o mercado. Mais do que isso: a publicidade ajuda a garantir a independência econômica da imprensa nacional. A parceria entre agências, anunciantes e veículos é fiadora da liberdade de expressão de veículos impressos, radiofônicos e eletrônicos. Lembre-se de tudo isso na próxima vez em que você for dizer: “Sou publicitário”.

edições anteriores

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.