Views
2 months ago

edição de 10 de abril de 2017

  • Text
  • Abril
  • Digital
  • Brasil
  • Propmark
  • Jornal
  • Paulo
  • Marcas
  • Mercado
  • Ainda
  • Anos

inspiração

inspiração sintonize-se e ela vem... Especialista em atendimento e planejamento escreve sobre a relação da criatividade com a conexão que as pessoas podem ter com elas mesmas, “limpas de negatividades” 26 10 de abril de 2017 - jornal propmark

Divulgação inarik/iStock Luiz Buono é vice-presidente de atendimento e planejamento da Fabrica LUIZ BUONO Especial para o PROPMARK Quando decidi ir aprender Mindfulness no MIT, em 2015, pesquisei na web para ver o que ia encontrar. Achei um vídeo de Otto Scharmer, professor do curso do qual eu iria participar, que mostra ele caminhando pelos campos, contando uma história da antiga Jerusalém, onde os camelos, para poderem entrar na cidade sagrada, deveriam deixar toda a sua carga para trás, exatamente o que fez o poeta e filósofo David Henry Thoreau, quando se isolou nos campos de Walden para descobrir o sentido da vida. Passou dois anos, dois meses e dois dias numa cabana, completamente isolado, para um experimento: “Fui para os campos porque quis entender apenas o essencial da vida, aprender com isso, e não vir a descobrir na hora da minha morte o que nunca vivi”. Em seguida, no vídeo, Otto caminha até um lago, arregaça sua calça, entra na água, fecha os olhos e se conecta com o seu interior. Depois, comenta que a única forma de descobrirmos algo realmente novo e original é conectando-nos com o nosso silêncio que está ligado ao todo universal; é, acima de tudo, desenvolver um estado de presença, este, sim, o mais alto degrau que o homem pode atingir para abrir as portas da inspiração, para acessar o campo das infinitas possibilidades. Uaaauuu! Como pode um professor do MIT, um dos mais avançados centros de ensino de tecnologia do mundo, falar em conexão com o universo? Enfim, essa experiência no MIT acendeu tudo o que vinha sentindo há tempos, como a base dos meus momentos de inspiração mais iluminados. Entendi que a criatividade aumenta quando você está mais bem conectado com você mesmo, limpo de negatividades. Seria mais ou menos como se a vida quisesse lhe apresentar suas maravilhas, que não estão escritas em livro nenhum, mas prontas para serem descobertas, e você não está aberto para recebê-las. É como se você precisasse ter seus rituais de limpeza diária para se descolar do velho, das vibrações destrutivas, e abrir espaço para o novo, para o futuro emergente acontecer. Por exemplo, se eu tomo um belo banho, dou uma bela corrida, caminho, ouço música, preparo uma boa refeição, tenho uma conversa conectada, tudo isso abre espaço para o novo emergir, para a criatividade fluir. Não existe criatividade e inspiração em sistemas que não estão abertos para recebê-las. Portanto, se fizermos nossa parte, a vida começa fazer a parte dela em forma de insights, inspirações, dicas... Enfim, tudo o que está escondido num plano maior começa a se revelar para você. Parece mágica, macumba, seja o que for, mas não é. Trata-se apenas de movimentos naturais, que a ciência ainda não provou, mas um dia provará. Enquanto isso, meu dever é fazer a minha parte, mantendo uma mente aberta, receptiva, confiante na sabedoria da incerteza, e certo de que as conexões começarão e emergir em forma de associações inusitadas. Na minha opinião, a inspiração não vem do nada: nós é que temos de nos abrir para ela acontecer. É um trabalho, não um esforço. É a gente fazendo a nossa parte, e o astral, a dele. Como dizia uma amiga: “Presta atenção, Luiz!”. Sim, devo prestar atenção, evoluir para o estado de presença, senão, o universo não presta atenção em mim. E também como dizia um grafite em Austin, durante o SXSW: Consciousness is the new rock ‘n’ roll. Preste atenção, sintonize-se, que a inspiração vem. SensorSpot/iStock mihtiander/iStock Everste/iStock Processos para insights Na página ao lado, mulher em posição de iogue diante de pôr do sol. Nas fotos acima, imagens associadas à capacidade de relaxamento para conhecimento interior. Luiz Buono escreve: “Se eu tomo um belo banho, dou uma bela corrida, caminho ou ouço música... Tudo isso abre espaço para o novo emergir, para a criatividade fluir... Se fizermos nossa parte, a vida começa a fazer a parte dela em forma de insights, inspirações, dicas...” jornal propmark - 10 de abril de 2017 27

PROPMARK

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.