Views
2 months ago

edição de 1º de fevereiro de 2016

  • Text
  • Brasil
  • Propmark
  • Fevereiro
  • Campanha
  • Jornal
  • Paulo
  • Filme
  • Ainda
  • Mercado
  • Mundo

STORYTELLER Marina Cota

STORYTELLER Marina Cota Pássaro milongueiro Fernando Gerardo era um argentino engraçadíssimo, tremendo bom caráter e, algumas vezes, mal-humorado e teimoso Deu-me uma imensa saudade do meu ex- -dupla na Lintas, o Fernando Gerardo. Ele era um argentino engraçadíssimo, um doido completo, tremendo bom caráter e, algumas vezes, mal-humorado e teimoso, como todo bom portenho. Já beirando os 70, andava de moto, praticava esportes radicais e tentava (dizia que não apenas tentava) comer estagiárias, colegas, recepcionistas, modelos e tudo o mais que lhe passasse à frente e estivesse na categoria sexo feminino. Nessa hora, apelava para os golpes mais baixos como demonstrar deslavado amor pela natureza, aos animais, gostar de música romântica e seja lá o que fosse que pudesse facilitar o caminho em direção ao coração das incautas. Outro amor que ele tinha era o Rio de Janeiro. Conhecia o Rio e seus recantos muito mais que qualquer historiador nativo, além de frequentar botequins perdidos pela Zona Norte, restaurantes típicos de subúrbio e praias distantes. Um dos dias mais felizes de sua vida foi receber o título de Cidadão Carioca, já bem velhinho e às vésperas da morte, numa noite comovente em que, com voz trêmula e mal de Parkinson, conseguiu relembrar de muitas aventuras de sua vida intensa, inclusive algumas bobagens que fizemos juntos quando eu era um garoto de pouco mais de 20 anos e ele já era um senhor, muito mais disposto e atlético do que eu. Uma das suas aventuras mais engraçadas foi quando ele resolveu testar uma geringonça ainda desconhecida por aqui, um paraquedas que, puxado por uma lancha, erguia-se a muitos metros de altura e virava um reboque alado. Deu pra entender? Uma asa-delta puxada por uma corda. Coisa de maluco. Exatamente o que o Fernando gostava. O problema é que ele resolveu testar o engenho na Lagoa Rodrigo de Freitas, sem o auxílio de alguém que já tivesse praticado o esporte. Pediu para um amigo que pilotasse a lancha, colocou a trapizonga às costas e mandou ver. A lancha ganhou velocidade e, subitamente, Fernando se viu voando a uns 30 metros de altura. Segundo ele, a Lagoa parecia um pires de água, onde um pontinho minúsculo era a lancha que o rebocava. O encanto levou uns poucos instantes, pois o Fernando, quando viu a lancha ir em direção às margens da Lagoa, intuiu a imensa cagada. Ela poderia dar a volta, mas Fernando iria continuar a trajetória até a tensão mudar para o outro sentido. Foi exatamente o que aconteceu. O amigo piloto da lancha virou a embarcação junto à margem e o Fernando seguiu em frente. Ultrapassou a avenida que margeia a Lagoa e entrou pela janela de um apartamento do terceiro andar de um prédio, arrebentando vidros, esquadrias de alumínio e a mesa de almoço da família que compartilhava uma alegre refeição de sábado à tarde. Instaurou-se o caos. Entre cacos de vidros, carne assada, maionese, cordas e garrafas de vinho saiu um argentino muito magro e barbudo, meio ensanguentado, que com curvaturas humildes dizia: “perdón, perdón señora, perdón señor”. Tudo já seria uma enorme de uma confusão, se o animal do Fernando não tivesse visto que debaixo de uma toalha de mesa estava uma mocinha de seus 20 anos, de camisetinha justa, toda molhadinha de molho de salada, olhar assustado. Ele, galantemente, oferece-lhe a mão para levantar e não perde o ritmo: “mira, mas que niña guapa!”. O dono da casa já achou que era demais. Entrar pela janela, destruir a sala, arruinar o almoço, vá lá. Mas querer comer a filha na cara de pau já era demais. Quase devolveu o Fernando pelo mesmo caminho que ele tinha entrado. Lula Vieira é publicitário, diretor da Mesa Consultoria de Comunicação, radialista, escritor, editor e professor lulavieira@grupomesa.com.br 46 de fevereiro de 2016 - jornal propmark

IDeIas O Singlecue chega às lojas brasileiras neste mês e permite que, com o movimento do dedo indicador levantado, o usuário possa trocar o canal da TV, acessar o videogame, acionar o serviço de streaming, acender as luzes ou controlar o som ambiente Dispositivo traz futuro para a sala com controle por movimento Singlecue começa a ser comercializado este mês no Brasil e permite acessar os aparelhos de entretenimento sem levantar do sofá Divulgação Que tal controlar todos os aparelhos da sala de estar com um movimento no ar feito pelo dedo indicador? O que parecia, até bem pouco tempo atrás, apenas realidade dos filmes de ficção científica e do clássico desenho Os Jetsons já está disponível no mercado. Chega às lojas neste mês o Singlecue, dispositivo autônomo da eyeSight Technologies, empresa especializada em visão computacional e tecnologia de reconhecimento de gestos. O aparelho, que já está disponível nos Estados Unidos e no Reino Unido pela Amazon, será comercializado no Brasil, em parceria com o Ponto Frio. O preço de lançamento é cerca de R$ 2 mil e ele estará exposto em quatro lojas no Rio de Janeiro e quatro em São Paulo. “O Brasil é um mercado enorme, com muito potencial. A tecnologia é adotada rapidamente. Sabemos que a economia no país não está das melhores, mas é questão de tempo”, diz Tal Krzypow, VP comercial da eyeSight. O Singlecue é conectado aos demais aparelhos por tecnologia wireless. Para ativar o dispositivo, o usuário baixa um aplicativo disponível para iOS e Android. “Uma preocupação bastante comum é com a segurança. As pessoas querem saber o que é feito com a imagem, já que os comandos são captados pela câmera, mas nós não guardamos nenhuma informação. Não tem memória no Singlecue”, esclarece o executivo, que esteve no Brasil para o lançamento do produto. O aparelho obedece aos comandos do indicador levantado a uma distância de até cinco metros. “Por ser um gesto bem específico, eu posso falar com minhas mãos em frente a ele que nada acontece”, explica Krzypow ao ser questionado se o usuário não poderia acionar o controle acidentalmente enquanto se mexe. Pelo app é possível selecionar quais dispositivos serão conectados pelo Singlecue. A compatibilidade do dispositivo ocorre com mais de 200 marcas de TV, receptores de TV paga, streamers (como Apple TV), home theaters, videogames, sistemas de iluminação e amplificadores, entre outros. jornal propmark - de fevereiro de 2016 47

PROPMARK

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.